Queimadas

Dicas - Prevenção de queimadas

As queimadas são proibidas?

A Legislação não proíbe a realização de queimadas, mas impõe condições para que elas aconteçam da maneira mais segura possível. É importante saber que toda queimada precisa ser autorizada previamente pelo Instituto Estadual de Florestas- IEF.


As queimadas são proibidas?

A Legislação não proíbe a realização de queimadas, mas impõe condições para que elas aconteçam da maneira mais segura possível. É importante saber que toda queimada precisa ser autorizada previamente pelo Instituto Estadual de Florestas- IEF.
 


O que é proibido?

Fazer queimadas a menos de 15 metros dos limites das faixas de segurança das linhas de transmissão e distribuição de energia elétrica;

 

numa faixa de 100 metros ao redor da área de domínio de subestação de energia elétrica;

 

numa faixa de 50 metros ao redor de unidades de conservação;

 

numa faixa de 15 metros de cada lado de rodovias estaduais e federais e de ferrovias.


O que acontece com quem desrespeitar essas normas?

Quem não respeita as condições impostas pela lei fica sujeito às seguintes penalidades:

  • à obrigação de reparar qualquer dano ambiental;

     

  • à perda ou restrição de benefícios concedidos pelo Poder Público;

     

  • ao pagamento de multas;

     

  • à perda ou suspensão de linhas de financiamento em
    estabelecimentos oficiais de crédito do Estado;

     

  • a processo criminal, com possibilidade de prisão, de acordo com o disposto na Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal nº 6.905/98).


Como prevenir um incêndio?

O objetivo da prevenção é impedir que o fogo comece, pois o combate às chamas nem sempre tem condições de ser realizado com êxito. Mas, se iniciado, o importante é que ele não se alastre. Para isso, é preciso levar em consideração as condições da área, a conscientização do perigo das queimadas e uma eficiente fiscalização.

O ser humano é o maior responsável pelos incêndios florestais, devendo ser implantado um programa permanente de educação ambiental, visando a sua conscientização sobre os prejuízos decorrentes das queimadas e a vantagem de se utilizar outras técnicas agrícolas mais modernas .

A conscientização das pessoas é um importante passo para a prevenção e pode ser feita nas escolas, imprensa, instituições sociais. Para isso, é importante aproveitar cada oportunidade para divulgar os riscos e prejuízos causados pelo fogo.

O conhecimento do terreno através de mapas, plantas topográficas, dados climatológicos, estradas, acessos, aceiros e mananciais de água próximos irá facilitar a ação dos bombeiros e da brigada em caso de incêndio, principalmente se isso for feito fora do período chuvoso, de maio a setembro.


Quais os tipos de incêndio?

a) Rasteiro ou Superficial:


libera muito calor, tem muitas chamas e alastra-se com rapidez, porquequeima folhas, gravetos e restos de culturas não decompostos.

b) Subterrâneo:


é difícil de ser identificado, porque quase não libera fumaça e alastra-se lentamente, atingindo raízes e camadas de húmus ou turfas no subsolo.

c) Incêndio de copa:


o fogo alastra-se rapidamente porque atinge e se propaga pelas copas das árvores. Tem grande poder de destruição e é o mais difícil de se combater.


Qual o tipo de incêndio mais comum em Minas?

É o rasteiro ou superficial, causado principalmente pelas queimadas agrícolas, por cigarros jogados acesos em beiras de estradas e por incendiários. Mas vale lembrar que raios e descuidos com fogueiras mal apagadas, também, podem causar incêndios florestais.


Como surge o fogo?


Para ocorrer o fogo é necessário que um material combustível (papel, folhas, álcool, gasolina, tecidos, etc) aumente sua temperatura devido ao calor, sendo indispensável a presença do ar.
 


Quais os fatores que afetam o comportamento do fogo?

a) Relevo ou topografia do terreno:

  • o fogo avança mais rápido morro acima porque o ar quente tende a subir, secando os combustíveis que encontra e preparando o terreno para o fogo se alastrar mais depressa;

b) Tipo de material combustível:

combustíveis ligeiros como ervas, folhas e ramos são mais fáceis de queimar;

 

combustíveis médios ou pesados como troncos, galhos e raízes queimam mais devagar;

 

combustíveis verdes como plantas vivas queimam com muita dificuldade;


c) Condições climáticas:

  • o ar seco faz com que a combustão seja mais rápida;

     

  • o vento aumenta a velocidade do fogo.


Sinalizar o risco de incêndio pode ser feito através de cartazes, placas ou painéis em pontos estratégicos. É importante, nos períodos críticos, que a vigilância seja feita através de torres bem equipadas e com apoio da própria população.

Agindo em parceria com outras empresas reflorestadoras ou agrícolas, indústrias da região e prefeituras, os incêndios serão evitados e um eventual combate surtirá melhores resultados .

O Corpo de Bombeiros e as Brigadas Voluntárias de Combate a Incêndios Florestais devem sempre ser avisados o mais depressa possível em casos de incêndio. É bom lembrar que o trabalho pesado deve ser deixado para pessoas capacitadas. O Corpo de Bombeiros oferece treinamento gratuito para Brigada de Incêndio. Para participar como voluntário, basta estar bem preparado fisicamente e consciente da importância dessa tarefa.